Terça-feira, 9 de Fevereiro de 2010

Dona Abastança

Quando li este poema de Manuel da Fonseca, fez-me lembrar uma certa gente num certo país que consegue viver no luxo da aparência..

 

Dona Abastança

«A caridade é amor»
Proclama dona Abastança
Esposa do comendador
Senhor da alta finança.

Família necessitada
A boa senhora acode
Pouco a uns a outros nada
«Dar a todos não se pode.»

Já se deixa ver
Que não pode ser
Quem
O que tem
Dá a pedir vem.

O bem da bolsa lhes sai
E sai caro fazer o bem
Ela dá ele subtrai
Fazem como lhes convém
Ela aos pobres dá uns cobres
Ele incansável lá vai
Com o que tira a quem não tem
Fazendo mais e mais pobres.

Já se deixa ver
Que não pode ser
Dar
Sem ter
E ter sem tirar.

Todo o que milhões furtou
Sempre ao bem-fazer foi dado
Pouco custa a quem roubou
Dar pouco a quem foi roubado.

Oh engano sempre novo
De tão estranha caridade
Feita com dinheiro do povo
Ao povo desta cidade.

Manuel da Fonseca, in "Poemas para Adriano"

 


publicado por Nanda Costa às 12:34

link do post | comentar | favorito
|

1 comentário:
De crema aumento seno a 11 de Outubro de 2010 às 15:28
Este texto bonito. escrever é uma terapia natural que nos ajuda não só para lançar luz sobre os problemas, mas também para superar


Comentar post

.posts recentes

. Tenho Andado Arrependida

. Em jeito de Rescaldo, o E...

. Baralhar e Tornar a Dar

. Os Novos Especialistas

. Dona Abastança

. "Desta Água Não Beberei"

. Segunda-Feira

. Pequeno Ensaio sobre a Pr...

. O Dilema

. Antes Que me Arrependa...

.Outras escritas...!

centaureadereva
ogritodacoruja
agrutadeleda

.arquivos

. Março 2010

. Fevereiro 2010

.subscrever feeds